Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Giló - O Papagaio Indiscreto

Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog Papagaio

Giló - O Papagaio Indiscreto

Entre o Fim do Mundo e a Esperança.


fim-do-mundo-chegando-venda-de-vidas.jpg

   E se o mundo acabasse hoje ou amanhã? Por que razão o estereótipo nos obriga a encarar negativamente e a dizer que pode ser "muito mau"?

 

1- Castanheira de Pera vê-se livre de vez da candidatura de Ágata à Câmara Municipal;

2- Desaparece a segunda fase de pagamento do IMI e o seu aumento;

3 - Acabam os vistos Gold oferecidos à máfia chinesa e às elites brasileiras;

4 - Termina, de uma vez por todas, a saga das sete (mil) maravilhas - Aldeias de Portugal, na RTP;

5 - O João Quadros passa a não de ter de ouvir bocas foleiras por causa das piadas mal medidas que lança;

6 - Os adeptos do S.C. de Portugal deixam de andar, finalmente, deprimidos;

7 - Extingue-se o financiamento dos partidos para as campanhas eleitorais (o senhor de todos os males).

8 - Trump abandona - a custo! - a Casa Branca e deixa de realizar atos retrógrados e comentários racistas;

9 - Esgotam-se os stocks de heroína e LSD, acabando o contrabando e tornando-se desinteressante a toxicodependência;

10 - Maria Leal e Zé Cabra desistem de dar concertos, não cobram mais cachês e calam a boca de uma vez por todas;

11 - Encerram as épocas do Yes, to the Dress no Canal mulher e os pescadores de caranguejos do Alasca no Discovery;

12 - É aniquilidada a dívida do BES MAU e a Caixa Geral de depósitos para de dar problemas;

13 - José Eduardo dos Santos abandona Angola para sempre;

14 - Margarida Rebelo Pinto "abandona a escrita" e José Rodrigues dos Santos não publica mais calhamaços;

15 - Os atentados terroristas deixam de acontecer, ficando tudo muito silencioso e quieto;

16 - É eliminado o vírus que ataca a máquina registadora do Made in Correeiros;

17 -  Dilma desiste de enganar os brasileiros e a corrupção passa a ser quimera;

18 - Renato Sanches encontra espaço no plantel do Bayern (em qualquer posição do terreno, incluindo guarda-redes);

19 - O Miguel Esteves Cardoso não publica mais opiniões e  Miguel Sousa Tavares não faz mais comentários;

20 - Portugal não tem de realizar o Festival da Canção no Terreiro do Paço;

21 - Tony Carreira não dá mais concertos no Pavilhão Atlântico / Meo Arena ( ALELUIA!!!);

22 - Cristina Ferreira desiste de ir de férias para longe, em biquini, e de ser fotografada a tomar o pequeno-almoço, o almoço e o jantar;

23 - Carolina Deslandes nunca mais "esgana o Diogo";

24 - Fanny não torna a mudar o nome do filho;

25 - Lili Caneças livra-se das rugas sem gastar balúrdios;

26 -  Acaba o " Correio Sentimental" da revista Maria...( ufff...!!!)

27 - Rui Unas deixa de pedinchar 5 euros pelas suas transmissões secantes, em direto, no Youtube

28 - Rita Pereira não põe mais os pés no cabeleireiro e coloca o mundo todo muito mais descansado;

29 - O aeroporto do Funchal  passa a não se chamar "Cristiano Ronaldo" e a estátua desaparece;

30 - O blogue do Papagaio é extinto e o universo tem mais uma razão para se congratular.

 

 

 

 

E no Meio, Está a Classe Média!

classe média.jpg

   A classe média é uma desgraça! Nem se é carne nem se é peixe! Anda-se num carro indistinto, enfiado lá para o meio da mediania, entre o bom e o mau, uma coisa que parece sem marca, e em que o único traço particular é só esse -  não é bom nem é mau. Simplesmente não é nada que mereça a atenção! Se formos pobrezinhos, andamos a pé ou num cangalho a cair com ferrugem e toda a gente nota; se formos ricos andamos num SUV Premium e ninguém deixa de falar e ficar com invejaNum automóvel da classe média ninguém conhece o pedigree nem sabe que objeto é aquele que vai a passar.

   Por essa razão é que os assaltos a bancos e casinos correm quase sempre mal - os ladrões raramente se lembram de levar um carro de classe média para o "trabalho". Acabam por dar mais nas vistas do que o desejado - ou com uma lata que faz barulho e larga fumo preto, chamando de imediato a atenção, ou com um "avião" tão brilhante que até ofusca - e  a coisa acaba atrás das grades. Estamos convictos de que um assalto perpetrado num viatura da classe média pode ser a chave para se passar completamente despercebido.

   A classe média é uma desgraça! Nem se é pobre, nem se é rico! É o primado da falta de identidade e da constante indecisão e isso sufoca!  - O que é que fazemos hoje para o jantar? - Olha, nem sei!, estou tão indecisa (na classe média, é sempre a mulher que faz o jantar). - Já nem sei o que é que me apetece! Os pobres, por seu lado, ou não comem - por isso mesmo não é a mulher que faz o jantar!  - ou comem em casa e aproveitam os restos do dia anterior -  a mulher também não chega a fazer o jantar! Não há nada que decidir nem baralhar. Os ricos, por sua vez, não estão para se chatear nem dar ao trabalho, por isso escolhem sempre o restaurante mais caro. Se sair não for uma opção conveniente, a empregada da copa que decida e resolva o maldito do problema.

   Por essa razão é que, mesmo sendo a classe média, em Portugal, uma raça minoritária e quase em extinção, é aquela que mais dá trabalho ao sistema de saúde, por causa de problemas ligados aos hábitos de vida e à alimentação. A classe média, como vive baralhada, decide sempre mal qual refeição a fazer, caindo na maldição dos fritos, e no logro das pizas e do fast-food. Os hambúrgueres também são um produto "médio". Já para não falar no vício do tabaco - a maior parte dos cigarros que se fumam em Portugal são as seis pessoas que fazem parte da classe média que os compra! Os pobres cravam um ou dois e os ricos fumam cachimbo de encher, que é assim uma espécie de fruta natural, de alta qualidade, como na agricultura biológica.

   A classe média é uma boçal desgraça!  Nem se está triste nem se está alegre! Nem se está desempregado nem se tem emprego de jeito! Nem se viaja para fora nem se fica em casa! Nem se marca a diferença nem se é diferente. Nem se pode ter muitos filhos nem se pode viver a vida! Na classe média, nem é uma p*rra nem é uma maravilha... é uma coisa que não se entende bem o que é! Quanto a nós, que não podemos ser ricos, quando crescermos, queremos ser pobres, que ser da classe média é uma M*RDA!

Papagaiopapagaio

 

   

 

A Questão dos Transportes na Temática do Terrorismo.

 

terrorismo, transportes, daesh.jpg

 

   A nova conjuntura mundial promovida pelo Terrorismo veio introduzir transformações na realidade quotidiana dos povos e nações, reformas essas que têm abalado o ânimo instituido de vida e que vão presidindo à agitação do estado de coisas, no que às convenções globais e ao modus vivendi substancialmente diz respeito.

   Por outras palavras, e para dar um exemplo muito prático do parágrafo impercetível que acabámos de escrever e que nem nós mesmo entendemos: estávamos todos habituados, em sociedade, a conduzir pela direita ou pela esquerda (mão inglesa) e agora também teremos de contar com o trânsito a circular vindo pelo meio, modelo ao qual a Aldeia Global tem tido algumas dificuldades em se adaptar. Com o tempo vai... até porque já passou tempo e tempo sobejamente suficiente, -pelo menos temos de contar desde os idos de 2001- e será altura de começar, efetivamente, a eliminar e a desmontar de vez certos paradigmas teimosamente enraizados na cultura moderna ocidental.

   Sinal de que a "mão" islamita vai sendo gradualmente assimilada e compreendida por certos nichos da sociedade, consubstancia-se no exemplo dado pelos supremacistas brancos e radicais encapuçados norte-americanos, que já optaram, igualmente, pelo atropelamento no meio da faixa de rodagem de Charlottesville, para desencadear os desacatos com os grupos anti-fascistas. Trump, como mediático líder que é, não tardou a  congratular-se pelo sucedido, aplaudindo a iniciativa rodoviária e incentivando os episódios posteriores.

  Aliás, entre o Estado Islâmico, a Al-Qqaeda e os governantes políticos, aqueles em quem ainda vamos confiando menos são os últimos, porque são dos poucos que não operam qualquer reforma nem cumprem absolutamente nada daquilo que prometem. A nossa preferência, em termos comparativos, vai direitinha, por isso, para os terroristas, pela promessa, refletida na palavra dada e pelo efeito disruptivo gerado.

   Depois, se existe coisa da qual não nos podemos queixar enquanto sociedade, é de não nos ter sido dada, avisada e ministrada atempadamente a lição necessária e devida para estes factos. Ninguém poderá argumentar de as coisas serem feitas à bruta e de surpresa, como se de uma traição escondida se tratasse. Desde esse inicial e afastado episódio das torres do World Trade Center, que o mote tinha sido dado - era pelos transportes que a revolução iria começar - ironicamente por cima, agitando com turbulência os códigos de navegação e circulação aérea, para aterrar, no presente, nas nossas cabeças com as alterações ao mencionado código da estrada!

   E não deixa de ser irónico, igualmente, que esta condição abençoada de coisas se tenha feito nascer exatamente a partir de um problema político, na altura chamado George Bush. Decorria, então, o ano do Senhor de 1990 ou coisa que o valha; o mundo encontrava-se sossegado a dormir na paz também do Senhor e o homem decidia teimosamente sair de casa para iniciar uma caça aos gambuzinos e às bruxas lá para os lados do Iraque. Havia muita caça para aqueles lados, segundo o presidente, e não há nada como sair a meio da madrugada com uma caçadeira nas mãos! Existe muito esta tendência de sair de casa, nos Estados Unidos, com armas na mão, a altas horas da noite! E estavam a fazer uma comichão danada no nariz, o Iraque e o seu líder!

   Depois, mais tarde, chegou finalmente o filho, para continuar a cozer o pão que o diabo do pai já andara a amassar na gamela há muito tempo, - continuar a mexer serenamente no ninho de vespas, foi o que foi!  E está feito o resumo da história - até porque não serão precisas muitas palavras sobre o passado, que já lá vai, e que imensamente bem é conhecido de todos nós! Importa, agora, olhar para o futuro e refletir sobre os cenários que o Amanhã nos reserva, com tanta vespa no ar.

  Quanto a nós, e colocando novamente o ênfase na tal temática e na circunstância dos transportes, enquanto veículo de mudança, na predileta agenda terrorista, uma não nos sai da cabeça: a de que, depois dos aviões, dos comboios e da circulação automóvel o seguinte passo a prever serão as bicicletas, daí que a Volta a Portugal tenha que se preparar para acolher uma das próximas iniciativas atentadistas do islamismo radical.

Papagaiopapagaio

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

  

Blogues e Postos a Preços de Arrasar!

regresso às aulas.jpg

   Estava ainda agora ali a tentar engravidar uma barriga de aluguer e tive de fazer uma pausa repentinamente para um Kit Kat, porque me lembrei de um assunto que me anda a acicatar a cisma.

    É esta a razão do meu curto post de hoje: para dizer que é incompreensível e ultrajante que as campanhas de regresso às aulas ainda não tenham começado em força na TV. É uma desconsideração pelos nossos alunos e um avilte para com as contas bancárias dos encarregados de educação!!!

   Se bem nos recordamos, no presente, hoje é dia 17 de agosto; as aulas começam dentro de quase um mês e não estão reunidas, ainda, as condições necessárias de base para o assalto! Cadê os anúncios a-toda-a-hora-até-deixar-a-cabeça-em-água-a-uma-pessoa? Praticamente não se viram, até ao momento, manuais, estojos, cadernos diários pelo ar, lápis, guaches e estudantes desanimados com os pais aos pulos aos melhores preços pelo meio das prateleiras em promoção!

     Quem é o responsável pela educação neste país com desconto a 50%? Estamos a bater no fundo sem promoções de pasmar! Alguém que ligue para o ministro a preços baixos do Continente e o acorde da cama com ofertas incríveis!

   Lamentamos apontar o dedo, mas a corrida ao material escolar já se deveria ter iniciado há, pelo menos, umas três semanas atrás; deixaram os progenitores sairem de casa com a bóia vestida para a praia e agora é no que dá! Como é que se impingem mochilas e tinta da china na praia?

    Um momento... atenção!... eis que acaba de chegar à nossa redação, através do Twitter, um fax que nos informa que os manuais escolares este ano vão ser grátis. E que o material escolar vai ter o apoio, a fundo perdido, da Geringonça cor de rosa... azul... e vermelha.

   Está tudo explicado, caros telespectadores: pedimos desculpa pela nossa falha de informação!  A emissão prossegue já de seguida  a partir dos nossos estúdios - a cores. Alguém que ligue com desconto em talão para o Belmiro e para o Soares dos Santos a dizer que já podem soltar a Popota e a Leopoldina!

Bom Natal!

Papagaiopapagaio

   

Do Second Love ao Tinder Surpresa

  

traição, tinder, second love, papagaio, blogs  I

   Uma fonte de renome e extremamente fidedigna, preocupada com o estado presente da nossa cultura geral, veio esclarecer que o Tinder é uma "app multiplataforma de localização social, de aproximação relacional-geográfica e promoção dos contactos românticos". Olhai só!...tão desorientados no deserto e os camelos aqui tão perto!!!!!  E nós a pensar que "aquilo era um ovo"! Isto deixa-nos bastamente envergonhados,  até porque há muito que andávamos a tentar encontrar um sinónimo para as palavras "mapa", "autocarro" e "avião" e não conseguíamos de jeito nenhum.

   Pior que isso, é que fomos obrigados a fazer uma composição dedicada ao casamento, a contar para nota, para o "projeto da anticontraceção" e a coisa saiu-nos furada nas aulas de Educação Sexual - desde janeiro que o trabalho de grupo tem estado parado; tudo porque andámos a tentar também descobrir uma expressão que substituisse pudicamente "meter os chifres no panhonha do parceiro", para não escandalizar a professora, e só agora, passados estes meses, é que finalmente parece que conseguimos resolver o problema. Valham-nos as fontes do Tinder...Deus Nosso Senhor!

  Entretanto, que não tem absolutamente nada que ver com o assunto em epígrafe, surgiu-nos a paranóia de tentar saber que definições é que se podem encontrar na rede para Second Love. Já adivinhamos algo de muito difícil: "Tinder", que é português, já deu pano para mangas; tentar encontrar algo numa língua estrangeira deve de ser muito mais complicado, ainda por cima tivémos nega a francês quando andávamos na quarta classe. Uma coisa é certa, adivinhamos, por antecipação empírica, que "Second Love" possa ser alguma app que o HD, a Maria ou a Desconhecida visitem às segundas, mas nunca a Kalila, que essa é do cochicho comum que só faz amor às quartas. Sigamos...

  A primeira coisa que encontramos nas redes sociais, por aproximação, é que "Second Love" tem alguma ligação com "línguas". Não fazemos é a mais pálida ideia do porquê desta associação peculiar. Sigamos! Depois, que está relacionado com flato, porque diz ali no coisinho da definição, em baixo, - "flertar". Provavelmente deve ser algum medicamento recente ou remédio para a prisão...de ventre.

   Algo curioso nisto tudo e que nos apraz mesmo estranhar é que as referências não são muitas...andará alguém a "fugir" com medo? Sigamos!

   Só nos resta mesmo acabar o post, por falta de fontes fiáveis e dispostas...a não ser que alguém queira saber o que está escrito ali no coisinho outra vez, em baixo, naquelas letras miudinhas... vamos tentar ler: "...preencha o seu perfil da forma mais incompleta possível..."; "...recomenda-se que não utilize o seu mail pessoal ou profissional..."; "...se cometer o deslize de registar o seu número de telefone de casa, removeremos o seu perfil de imediato..."; "...tenha em atenção que existe um limite diário de 3000 emails enviados para novos traidores..."; "...pode compartilhar fotografias privadas, de corpo total, na sua lista Os Meus Amigos, mas não envie para o seu domicílio, por favor!..."; "...não utilizaremos a sua informação com qualquer propósito comercial, é apenas com propósito sexual..."; "... os pagamentos deverão ser realizados discretamente, via cartão de crédito. No seu extrato bancário os movimentos serão discretamente codificados com as menções «triângulo preto», (para as senhoras), «carrinho de mão», (para os senhores) e «swing híbrido», (para transgéneros)...".

Boas traições, digo, leituras!

Papagaiopapagaio

Almoços e Jantares em Boa Companhia

made in correeiros, notícias.jpg

    Vou revelar, aqui e agora, uma inconfidência de férias: queria-vos dizer em primeira mão (ou asa) que convidei para jantar, na A23, este fim de semana, a minha amiga Kalila - um excelente e delicioso leitão à moda da Bairrada, assado na Serra de Castelo Novo e acompanhado por um bom vinho e umas cerejas de Alcongosta em ponto caramelo, quando... mas o que é que foi????

   O que é que se passa agora, outra vez? Se dão porra de nomes de estrelas a restaurantes com a designação de Michelin, porque razão é que soa a esquisito dizer-se "ir jantar ou almoçar para o meio da estrada"? Se é por causa dessa treta do sentido da coisa, que fique esclarecido que este país nunca primou nem bateu por fazer sentido algum... e o resto do mundo ainda bate muito menos! Depois, esquecem-se que o túnel da Gardunha esteve impedido ao trânsito durante os últimos dias, daí que não houve sinal de pneus... a não ser os meus... e o local é muito aprazível, asseguro já, sobretudo sem trânsito!

   Outra, para os que se estão agora a rir: quem é que se lembrou de chamar a um sítio onde se vai chafurdar a vida pessoal e denegrir a vida dos outros de "Facebook"? Aquilo não é livro nenhum - embora lá se espetem muitas trombas! E porque não "Pocilga do Cochicho?" E o que é que tem um pássaro que ninguém conhece com frases de 140 carateres? Isso, sim, é que nos parece estúpido! Não se devia chamar "Twitter", mas "Sintaxe à Moda da Troika". Aliás, aquilo deve ser tudo obra do ressabiamento ranhoso do FMI-só em Portugal é que o Twitter nos sujeita a apertar o cinto nos carateres. Nós ouvimos dizer que, no Dubai, não existem dessas m*rdas de restrições vocabulares - o twitter deles vai até aos 145 e as vírgulas não contam! 

   Estavam à espera, então, que o Papagaio perdesse o tempo a revelar que passou o fim de semana na praia, não?, a colocar cremes e unguentos solares no buraco do rabo, não é? Isso já fazem as 78.000 bloguistas femininas que andam por aí espalhadas, e a única coisa que o Papagaio enfiou no real bujão, até hoje, foi meia dúzia de Ben-U-Rons 500 quando era pintaínho e tinha febre acima de 41! Abaixo disso eu não autorizava, que aí ainda não tinha perdido os sentidos!

   Ou então, deixa cá ver, que eu cometesse uma inconfidência, do género: " Férias com as fotos das melhores paisagens portuguesas - das arribas algarvias da Maria Luisa às montanhas em fade-out das adeptas do SLB, na Rota da Prata!".

   Francamente, o universo dos blogues precisa é de uma nota de diferença, algo de inovador que traga o debate sobre questões, situações e experiências de vida novas. Ir jantar fora e fazer um review para as plataformas não tem nada de novo nem de extraordinário... a não ser que o jantar seja no Made in Correeiros. Por falar nisso mesmo, no sentido de evitar mais mal entendidos e polémica nas redes sociais e para quem quiser jantar no famigerado restaurante, atualiza-se a informação de que o proprietário do estabelecimento acabou de transferir o restaurante de morada. Como o cardápio e a caixa registadora têm vindo a dar imensos problemas na Baixa-Chiado, a casa já está em laboração no Entroncamento, onde os talões compridos são considerados normais.

Papagaiopapagaio

   

 

Estava a Assar Castanhas, Estava o Lum'arder...

incêndios, assar, grelhar, Portugal, fogos,.jpg

   A Proteção Civil veio dizer que a situação relativa aos fogos já está mais calma e que o número de incêndios desceu para 241!!!...depois de já terem sido 345!!! Com estes números que não chamam a atenção de ninguém, já estamos MESMO mais calmos! Ademais, a nós deixa-nos também, para além de surpresos, maravilhados, não por haver menos chamas a lavrar, mas sim por não termos ideia, jamais, que Portugal fosse um país tão vasto e, até, grande, quase do tamanho da China, de modo a levar, à mesma hora, tanto fogo e incêndio junto!

   A menos que acender um fósforo ou um cigarro contem oficialmente para as contas das ocorrências nacionais, a confirmarem-se estes dados curiosos, - 241 fogos, 345 fogos, 413 fogos - o que poderá acontecer é que a Proteção Civil, através dos seus mensageiros formais, tenha atuado no sentido do excesso de zelo, ou do orgulho patriótico, como quisermos entender, e tenha estado a assistir militantemente ao telejornal de ontem à tarde, levando de imediato a coisa a peito e tomando, deste modo, em ordem de consideração, nos números "vindos a lume", a exigência lusa de alargamento territorial da zona costeira exclusiva nacional. Nesta linha de pensamentos de c*ca, que costumam atravessar com frequência o intelecto distorcido do Papagaio, depreende-se que alguns dos números estranhamente aparecidos, pela hipérbole inusitada da coisa, se poderão dever a incêndios deflagrados no fundo do oceano. Daí o carapau, o badejo e a sardinha que vivem mais longe, neste figurino de incidências, ao deixarem-se queimar, grelhados e assados, já poderem passar a integrar as estatísticas, engrossando o drama.

   Mas há mais, e isto é que nos deixa preocupados! - numa das conferências de imprensa, Patrícia Gaspar, responsável pelas informações da autoridade dos incêndios, apareceu com uma cábula bastante amarelada e amarrotada nas mãos! Das duas, uma: ou a mulher andou a ajudar a apagar as labaredas, com as folhas no bolso, - e toda a gente sabe que a Proteção Civil não se mete nesses trabalhos, porque está sempre atrás dos microfones ou das secretárias - ou aqueles papéis já são do tempo anterior à Guerra Colonial, o que abre a hipótese da ela estar a ler resumos e estatísticas que dizem respeito, também, a Cabo Verde, São Tomé, Angola e restantes... e aquilo há muito mato e incêncio por lá. Tal, não está nada correto, porque apesar de Angola ainda ser nossa, como sabemos, de Calecut nos pertencer e Moçambique, por direito histórico, ser parte do território português, esses fogos de 1968 já devem estar apagados... provavelmente... por isso mesmo, é riscar do papelinho, porque não podem contar para as estatísticas!

   Uma outra explicação, sobre a qual não será dispiciendo congeminar, é a dos cálculos incluirem as ondas de fumo que vêm do lado das Furnas; onde há fumo há fogo e em São Miguel não parece haver maneira de por um fim naquela ebulição arriscada. Pode rebentar a qualquer  momento! Ainda por cima as Furnas têm fábricas de bolo lêvedo, mas não têm quartel de bombeiros e o acendimento está por apagar há que tempos. O bolo lêvedo até pode encher barrigas, só que não apaga chamas.

   Ainda assim, não seria descabido telefonar para a proteção e tirar a limpo, - pelo sim, pelo não - se eles têm a certeza de não estarem a fazer o briefing com a cábula da Califórnia ou do Texas nas mãos. Com tanta azáfama a decorrer, e com tanta conferência de imprensa, o mais fácil é haver algum mal entendido ou falha cerebral na porta-voz daquela geringonça,- Patrícia Gaspar - e ela pegar, pelo emaranhado dos fios ou pelo clarão dos holofotes, no caderno diário errado que está na gaveta errada. 

Papagaio

papagaio

Vai um subsídio, ó freguês?

meteorologia, ipma, incêndios, portugal, papagaio

    O IPMA veio antecipar que prevê uma fase de chuvas abundantes para o outono e o inverno que se seguem, até 2018, a começar já no próximo mês de setembro. A dar-se o caso singular de o IPMA se transformar em flor-que-se-cheire e acertar alguma vez na vida numa previsão, esta notícia até podia ser encarada com muita preocupação, mesmo!

    O que nos vale é que há mais hipóteses de um apostador acertar em cheio nos números todos do Euromilhões - sem ter jogado - do que os augures nacionais da climatologia adivinharem que tempo é que vai fazer amanhã de manhã! Na verdade, estamos em crer, depois das notícias que vieram a público ontem, à hora do crepúsculo, e que davam nota de ter sido feita a aquisição de um "novo" radar meteorológico em segunda mão, proveniente da Alemanha, em regime de renting,  que o IPMA passa a ser o mais sério candidato a não conseguir, sequer, prever que tempo é que fez ontem.

   Há quem diga, por maldição e má língua - não somos nós!!!  - que alguns funcionários da equipa do Instituto de Meteorologia passam mesmo a vida a chegar atrasados ao emprego, porque não conseguem prever a que horas passa o 708, do Martim Moniz à Praça do Aeroporto, mesmo com o horário da Carris a ter sido enviado para as instalações do instituto, por um grupo de solidários preocupados, horário esse que se encontra afixado com fita-cola à porta da entrada, dos lados de dentro e de fora. Para além disso, a portaria também recebeu uma cópia.

    Mas voltando ao início, que foi o que nos trouxe aqui, é que o pior que poderá acontecer, depois de tantos fogos e de uma estação cheia de intenso calor, é vir a aparecer a chuva. É absolutamente lamentável que a seguir ao fogo venha a pluviosidade. Não se admite, sobretudo em Portugal, país já de si tão martirizado pela corrida à verba fácil! Pois aventamos que será difícil convencer muito agricultor a ficar calado e, até, a calar a matraca. Vai ser um final de estio em continuidade com o choro e a par com o ranger de dentes. A frase que mais se ouvirá será: "- Quero um subsídio!!".

   Depois de muito berrar, durante o verão, o faduncho do agricola  apontará que a culpa é do Governo, que não faz chover; que a falta de água encarquilha os pastos e emagrece o gado. Se vier a dita chuva, vai ser uma berraria que a água apodrece as raízes e arrasta as vacas pelo lameiro fora, por causa das enxurradas diluvianas. E a culpa vai ser " do Governo", outra vez. Pelo andar desta carruagem, ainda vamos ver São Pedro a ser acusado de pertencer à "Geringonça".

   Alertamos, desde já, todas as classes profissionais de que devem procededer à exigência de subsídios imediatos, se o negócio lhes começar também a correr mal. Se os professores perderem alunos, subsídio do Estado por aluno; construtores e trolhas, subsídio do Estado por cada muro que ficar por fazer; lojas do chinês - subsídio por cada assalto na secção de cuecas; agiotas da bolsa - subsídio pela descida da taxa de juro; salões de cabeleireiro - subsídio por cada bebé que nascer careca; atrizes de filmes marotos - subsídio para a aquisição de preservativos de marca branca; banqueiros - subsídio por cada empréstimo mal parado; pescadores - subsídio...não...esses já têm o doutoramento em subsídios! 

   O que queremos dizer, agora já mais ou menos sem sarcasmos, é que isto anda tudo loucamente trocado, tal e qual a  tapeçaria de Clio: a chuva, como é do conhecimento público, devia era cair no verão, fod*-se!!! E à noitinha, para não incomodar os turistas que estão na praia; o Sol abrasador só deveria aparecer no final do ano, para combater o frio de dezembro, que nessas alturas é uma rapa que ninguém aguenta! O Allgarve bombava todo o ano, com resmas de ingleses a perderem os filhos de vista e paletes de filas de trânsito, desde a entrada da A2 até ao nó de Paderne. 

Papagaio

   papagaio

Pág. 1/3