Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Giló - O Papagaio Indiscreto

Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog Papagaio

Giló - O Papagaio Indiscreto

Diz-me Como Me Bates... Dir-te-ei a Besta que És!

  

   A Associação de Apoio à Vítima veio denunciar esta manhã que os crimes e a violência contra cidadãos do sexo masculino tem vindo a aumentar, no nosso país, assim como os casos de agressividade e negligência praticados contra idosos. Não é nada que surpreenda, apenas a confirmação matemática e estatística daquilo que já se ouvia falar há algum tempo. Aliás, o que acontece em Portugal parece acompanhar a tendência que se verifica, também, em outros países da Europa, tanto do sul como do norte europeu.

   A par com o martírio  - sobretudo doméstico - vivido pelas mulheres junta-se, nos últimos anos, a diversificação dos casos de violência, que muitos associam ao estado de crise e degradação económica que se tem feito notar.

   O que nos poderá parecer é que esta última "colagem" do aspeto económico ao ambiente social será algo simplista e não livre de erro. A questão é que uma análise mais atenta de alguns dados remete para uma conclusão mais preocupante: a de que a violência tem encontrado novos expoentes, independentemente dos países em causa ou do clima económico. Ou seja - a violência contra mulheres, homens e idosos tem aumentado... ponto.

   A questão está na resposta que se quer para este tipo de situação ou, sequer,  se existe vontade de criar respostas. Falamos de quem nos governa, a nós todos e de nós próprios, que andamos na rua, na vizinhança, sabemos dos casos e insistimos que o problema não é nosso, calando!

   A revolta não chega - revoltados dizemos nós andar todos por dentro! Há é a necessidade de fazer, independentemente de sermos mulheres, homens, novos, velhos.. líderes ou cidadãos de base.

   No nosso entender, há que desmontar os preconceitos e deixar de ver só as vítimas do costume. A denúncia deve ser feita sobre as vítimas do costume, mas também sempre quando algo acontece, não quando acontece sempre aos mesmos!

 

10 comentários

Comentar post