Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Giló - O Papagaio Indiscreto

Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog Papagaio

Giló - O Papagaio Indiscreto

Ti Manel tinhuma quinta... ia- iá -ouh!

   

Ti Manel... há muito quem tente fazer baixar a autoestima do Ti Manel - pobre do homem! Não fez mal a umaGiló Papagaio Indiscreto.png mosca!

   Há já algum ( muito) tempo, uma "criatura" natural da cidade mais in de Portugal, - pessoa com responsabilidades pedagógicas e didáticas - deciciu insurgir-se de forma mais ou menos pública contra o "Ti Manel". Que a vida do campo etcetera e tal "...não era caminho de futuro": um jovem aspirar  a ser comandante de um trator era uma pobreza de espírito e demonstrava ausência de ambição! Não era visão nenhuma nem tinha qualquer nobreza de propósitos! Que pai é que incentivaria um filho a ser "tratorista"? A cuidar do gado, a ordenhar as vacas, a transportar o feno, a cuidar da azeitona e das batatas? Que falta de horizontes! Que cheiro a estrume! Reteté, ratatá...O comentário chocou-me, mas mantive-me calado, a remoer a verborreia!

    A rábula poderia ser: "O gaiato do campo e a professora (armada em palerma) da cidade". Sim, porque só quem tem carreiras e desempenha bons cargos na city é que é gente de sucesso! Pelos vistos! Os outros, os do campo, - uns atrasados! Como diria o outro - o Chato - "por isso é que este país não anda prá frente!!!"

   Pedras nos meus ouvidos! Como é que a vivência insistente no ambiente (tantas vezes poluido) da cidade pode tornar certas pessoas em ignorantes mais saloios que os próprios? Ainda hoje penso nisto! A provar que a falta de horizonte morava na vista do "rato da cidade", estão as dezenas de espanhóis - só um exemplo! -  que desbravam o alentejo à procura de terrenos para produzir a azeitona, o porco preto e a vinha. E o país a aperceber-se - ainda que lentamente - que sem campo e agrcultura não há economia.

   É verdade que, ao vermos um melão, é difícil achar poesia nele, sucesso financeiro, ou vislumbrar realização pessoal; mas quantos não se têm virado para a produção agrícola e natural nos últimos anos? Que remédio! As gravatas da city faliram! Mas foi preciso virem de fora os estrangeiros para nos fazerem ver que os senhores engenheiros urbanos, os gestores de empresas, os bancários e banqueiros, advogados e ademais engravatados de estatuto social já não dão "rendimento" nem têm grande futuro. O país está apinhado de "tachistas"  engravatados; há pouco espaço para mais! O ouro não está só nos gabinetes confortáveis!

   O estatuto sem trabalho e luta vale tanto como zero - menos em Portugal, que é mui "precioso", diria mestre Gil! Tal como a opinião da minha coleguíssima da cidade, que não viu conteúdo nas galinhas nem nas couves. O único conteúdo que uma opinião daquelas poderia ter é o da arrogância, da petulância e do preconceito.

   A prová-lo, está o facto de o tratorista ser, hoje, à distância de quinze anos, um trabalhador agrícola de sucesso, no baixo alentejo. Não lhe faltam "tratores", terrenos, gado e produção. Quanto à minha "colega", está em casa, a "tricotar" um Horário Zero!Giló Papagaio Indiscreto.png

Ti Manel tinhuma quinta...ia-iá...ouh!

Papagaio

6 comentários

Comentar post