Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Giló - O Papagaio Indiscreto

#Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog #

"Espólio", de Alves Redol - Nasci com passaporte de Turista

alves redol, espólio, contos, textos.png

    A riqueza e a complexidade com que é construída a imagem da personagem principal do conto Espólio, de Alves Redol, acabou por cativar a nossa atenção. Afinal, poderíamos debruçar-nos sobre qualquer outro conto,   sobre qualquer outra história,sobre qualquer outro autor, - de preferência fazer a vénia a uma paixão por um nome literário da moda, talvez um gigante de vendas estrangeiro, colocado numa prateleira chique, da qual pudéssemos ser vistos por todos a consumir cultura e a seguir o azimute das Trends - sobre qualquer outra categoria que ao plano da construção narrativa dissesse respeito. Por ventura um romance que nos enchesse o ego.  Mas acabámos em Zé Maçarico, um alma-de-Deus, homem do povo, já fora de idade (daí a análise à temática da influência do tempo sobre a personagem) excomungado da vida, renunciado por todos, até ao ponto de ele se renunciar a si mesmo! Zé Maçarico faz parte de nós, ainda que o queiramos renegar, é nosso, é a nossa história e a nossa matriz. Ninguém nos tem espelhado tão bem perante os nossos olhos como Redol - e mais meia dúzia -  e só o recusa quem tem a mania de recusar as próprias raízes e de se armar em elitista literário e social.

   A tese do compromisso social da literatura faz-se, aqui, partindo da representação do universo psicológico da personagem, e da sua relação com o mundo. À medida que passamos por cada linha deste conto de Redol identificamo-nos cada vez mais com a ideia de que a elaboração da personagem acaba por se tornar num mecanismo privilegiado, através do qual o autor ascende à denúncia e à projeção de valores que, pela sua presença ou ausência, considera essenciais na construção do debate sobre a sociedade e sobre o Homem. Assim, vemos um Zé Maçarico humanista – por vezes – num constante duelo de forças que o fazem também ser, em outros momentos, herói em contradição.

  O drama que enforma a personagem, a sua alma cinzenta e solitária, o despojo de vida que sofre, o conflito moral que representa, a atordoante incapacidade e passividade de que se reveste – já nem à égua pode valer, servindo-lhe a ceia! – atordoa o próprio leitor.

   Como podíamos deixar de chorar com a imagem de Zé Maçarico, deixar de dividir a sua dor, partilhar o frio que lhe vai na sua alma? Poderemos enquanto leitores encontrar outra forma de ajudar o homem que, no fundo, comete a ousadia de nos mostrar aquilo que nós próprios somos, ou aquilo que tememos que, um dia, venha a ser o nosso futuro? Zé Maçarico é espólio de grande e perturbante beleza. Melhor - a maior das belezas está encerrada na própria degradação de Maçarico. A idade, a pobreza, a decadência, o ostracismo, a indiferença, a saudade e a tristeza a que se vê sujeito não deprimem, porquanto é uma pintura valiosa, plena de arte honesta.

“Estava gelado. Não sabia se era o vento entrando pelos buracos da porta e pelas fendas do telhado que o arrefecia, se o frio que sentia dentro dele e gelava o ambiente…Esfregou as mãos e deu-se de torcê-las, como se nelas esmagasse a vida.”[1]

 

[1] ALVES REDOL- Nasci com passaporte de Turista, e Outros Contos

Papagaiopapagaio

 

Opinião: Rebuçado de ovo de Portalegre!

av2[1].jpg

 

   LOL... acabo de inaugurar a nova "moda" no meu blogue. Inaugurar, mas já é muito batida! - é que eu gosto de "bater" ainda mais: análise pessoal de produtos e serviços eh!eh!eh! (forum opinativo sobre tudo e nada; e tudo o resto que me apetecer e vier à "telha"!) Se as bloggers das malas e dos panfletos podem, por que é que eu não posso?

  rebucados-de-ovo-de-portalegre-6-unidades~662333[1 Na mira do roteiro, hoje, temos os "Rebuçados de ovos de Portalegre" LOL.. nham... nham... bué de calorias e amigos do peito do colesterol, mas que se dane! É uma explosão de sabor, sobretudo para os gulosos como eu!!!! Aconselho só a não comerem um quilo deles. Provar não tem mal nenhum!

  f1[1].jpg Quando comi pela primeira vez, fiquei surpreendido. Pareceu-me um sabor realmente diferente daquilo que já tinha provado. Uma crosta caramelizada exterior que se aguentou uns segundos na boca. De repente... Buum! estala o verniz e, por dentro, uma pasta semelhante os ovos moles de Aveiro ( pelo menos, foi isso que me fez lembrar. E olhem que já comi muito ovo mole!). Foi, realmente, uma surpresa - para quem se inicia na prova a  "explosão" na boca é mesmo um pouco inesperada. Ao mesmo tempo suave e intensa ( não sei se a ideia colhe... ou se existe tal possibilidade!). Diria que o rebuçado faz uma aproximação improvável entre as cidades de Aveiro e Portalegre. Encerrando um pouco das duas. Nunca pensei!

   Recomendo uma prova a quem vier a Portalegre. Os rebuçados podem ser encontrados em vários locais - nem todos os "produtores" e vendedores recebem o mesmo voto e granjeiam o mesmo acolhimento por parte dos comilões! Cada um fará a sua escolha e a sua eleição quanto ao melhor rebuçado de Portalegre. Na Rua do Comércio há mais  do que um estabelecimento a vender. Um deles é a loja de comércio tradicional e produtos regionais "Majó" ( LOL, bonita publicidade!).

Saudações

Paps...

Receita Michelin: Red Fish no Forno com Batatinhas Assadas... LOL

DSC04066.JPG

   Tinha prometido que traria para o bloque a minha receita para enraivecer os Michelins e os Gourmets, e cá está! Blogueiro que se preze, tem de postar a sua receitazinha! Assim, é chegado o tão esperado Giló Papagaio Indiscreto.pngmomento à la Chef Cordeiro!!!!!!! 

   Será mais uma receita  ao estilo "Kormoran", "Fulda" ou "Nangkang", do que "Michelin"!!! De qualquer modo, apesar de simples, é uma receita original, porque é da minha lavra pessoal, não foi retirada de nenhum livro de culinária e sabe a como só eu a sei fazer saber... até pode saber pior que as outras, mas não há outra igual, ainda assim!

   Roam-se de inveja, blogues e páginas de culinária e receitas, roi-te de inveja " Cocó na Fralda", "Style it Up", " Pipoca...", "Sabores da Minha Cozinha", "Cozinha com a Ju" e outros "cocós" da moda blogueira! Como esta, não sabem vocês!!!!!

 

Receita do dia:

Red Fish no forno com batatinhas assadas

Ingredientes: (3/4PAX)

850 / 900 gr. de peixe comunista ( Red Fish)

1 cebola

800 gr. de batatas brancas

30 dl. de azeite

2 folhas de louro

1 tomate fresco

1/2 pimento verde

1/2 pimento vermelho

3 folhas de coentro ( ou salsa, em substituição)

25 dl. de vinho branco

3 dentes de alho

sal (q.b.)

Preparação:

   Descasque as batatas e corte-as em cubos médios. Lave-as e deixe-as repousar brevemente em água fria.  Amanhe o peixe ( pode colocá-lo, depois, inteiro ou às postas a cozinhar, como preferir.) Disponha o peixe numa travessa própria para forno. Corte a cebola em meias luas e deite-a espalhada por cima do peixe.Descasque os alhos e cortes-os em pedaços, dispondo, também, sobre o peixe. Escalde as batatas em água fervente, para que possa assar mais eficazmente no forno. 

   Depois de escaldadas, as batatas devem ser dispostas na travessa ou tabuleiro que vai ao forno, de forma a que fiquem a envolver o peixe. Junte os restantes ingredientes: o azeite, o sal, o pimento verde e vermelho e o tomate cortado às rodelas ou em pedaços. Polvilhe com a salsa ou com os coentros e adicione, por último, o vinho branco, de modo a regar todo o conteúdo.

   O peixe deverá ir ao forno a cerca de 200 graus, durante 45 minutos - deverá ajustar ligeiramente o tempo de preparação no forno de acordo com a necessidade que verificar que o peixe e as batatas exigem. Para isso, observe pontualmente a receita, durante a fase de cozinhado.

   Retire do forno e sirva!!!!

Voilá! Bon Apetit! ( Não sei se é assim que se escreve, mas que se dane!)

Papagaio

P.S: Pode variar, colocando, por exemplo, algumas rodelas - muito finas - de chouriço ou chouriça caseira. O contraste entre o toque da carne de porco assada, com o sabor do peixe casa muito bem, dando um toque de diferença ao prato! EH! EH!

Giló Papagaio Indiscreto.png