Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Giló - O Papagaio Indiscreto

#Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog #

Isabel II e a Seca Severa.

bcbe4317a8290c3e091ecec8895b7870.jpg

A data escolhida por Isabel II para falecer dificilmente poderia ter sido mais conveniente e, até, apropriada.

Aliás, a massa e os meios de comunicação concluem, em uníssono e como costuma ser seu apanágio, que Elizabete primou imensamente por uma vida longa e precisamente recheada de posturas e decisões corretas, convenientes e, até, apropriadas. A chegada da Comadre da Foice aos aposentos da realeza só terá, assim,  confirmado o  diáfano figurino da delicada, sublime e apropriada Soberana - que testemunhasse e, até, atestasse em favor da nossa opinião, a Princesa Diana de Gales, isto caso ela pudesse, obstando a isso o facto de se ter dado ao infame desplante de escolher antecipada e igualmente falecer contra um irriquieto, teimoso e mal educado pilier gaulês. Não persistam dúvidas, contudo, que Diana de Gales, por seu lado, decidiu partir num momento muito dificilmente apropriado e conveniente...para...Isabel II! No que a muitos aspetos diz respeito,  - "timing" e "low profile", por exemplo, - confessamos que Diana estará a milhas - talvez nos próprios antípodas da sua ex-sogra real. É ver os sarilhos e dores de cabeça com que mais uma vez a Monarca teve de lidar por causa da agenda amorosa da Princesa do Povo!

Dizia-se, abreviando o palavrório, que a data da escolha de Isabel II para partir dificilmente poderia ter sido mais exata e apropriada... para... Diana de Gales! Não!, Palhaçada! Para...Portugal. O assunto estava-se-nos a ficar escasso. Temos a teia de aranha do mercado de transferências de jogadores de futebol a acabar e o pó nos móveis da seca severa que assola o país a cair no risco de se supostamente esfumar,  esta última com o ameaço de chegada de aguaceiros ao território nacional, na próxima semana. Não fosse o "bate-bota" de Sua Alteza Real, ficávamos sem matéria de jeito com que espantar a boca e a alma e nem a pacotilha de medidas de estética fogueteadas por António Costa, a propósito da tragédia ucraniana e do drama energético lusitano, granjeariam te(n)são mediática que motivasse as audiências.

É ver as fábricas de "confetti" e as salvas de pirotecnia a todo o gás e os voos charter apinhados de jornalistas e turistas de terceira idade, a deslocarem-se dos quatro cantos, para acompanhar o acontecimento do ano nas ruas de Londres. Vão-se vender bandeirinhas, cadeirinhas articuladas de latão para sentar o rabo, chávenas de chá das Cinco e canecas de pequenos-almoços com a fotografia de Elizabete e Carlos III.  Vão-se vender bilhetes no mercado negro para um lugar e uma foto junto à muralha de Balmoral (há quem já se tenha arrependido de ter pedido empréstimo bancário para assistir aos Coldplay em Coimbra e pretenda livrar-se dos ingressos do concerto trocando-os no viagogo.pt pelos do funeral  de Sua British Majestade). 

Os arranjos e coroas de flores e ursinhos de peluche estão quase esgotados. A própria chuva já chegou a Londres e batizou milhares de mirones agarrados ao portão de Buckingham durante toda a madrugada. Num cenário "regado" como este, fica claro que a Seca Severa que nos tem assolado nos noticiários nacionais estará a passar de estação e moda...