Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Giló - O Papagaio Indiscreto

#Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog #

Follow Me, Beautiful Me, no LinkedIn.

LINKEDIN.jpg

   Em Portugal, muita gente não sabe o que é um alho ou cebolinho, nem tem a mínima ideia de como é que se planta um nabo. Muito menos como é que uma batata cresce na terra. Pior: há, até, quem não vislumbre que A-G-R-I-C-U-L-T-U-R-A se escreve sem "H", nem faça a mais pálida ideia do que é que significa a própria palavra "terra". Quando se houve a palavra " agricultura", no nosso país, seguida de "trabalho", a classe média desata a fugir e os licenciados fingem todos que pertencem à burguesia ou que estão com artrite nas articulações dos dedos das mãos.

   De facto, se for no LINKEDIN, então, a maior parte dos utilizadores tugas não consegue minimamente distinguir fotos do nosso planeta "T-E-R-R-A" de imagens tiradas, por exemplo, a Mercúrio ou Vénus. Para falar exatamente verdade, estamos em crer que pelo menos uns 73% dos utilizadores do LINKEDIN devem ser provenientes de Marte ou passam metade das suas vidas com as respetivas cabeças lá enfiadas. Os restantes 17% babam-se pelo queixo e andam com a língua de fora, a lamber botas e sapatos e sabem interpretar frases desde que tenham uma única oração e um único verbo e só se forem pronunciadas ou escritas em inglês chique.

   A acrescentar, agora em abono dos ditos utilizadores, faça-se justiça e admita-se que os portugueses que estão registados na plataforma LINKEDIN sabem todos falar e escrever excelentemente bem inglês, embora não consigam escrever o seu próprio nome (em português!) sem dar erros graves de ortografia. Isto tudo resulta numa aguarela estranha e enigmática, com contornos cómicos, daqueles que fazem mesmo rir! No nosso país há esta tendência macaquística de se fazer vender sobre si mesmo, apenas em inglês, porque, supostamente, apenas o inglês é que funciona como deve de ser. A explicação - para além da costumeira treta de que a língua inglesa é universal e favorece o marketing (em português, venda da banha da cobra) - é que a língua inglesa fica muito gira de usar e dá um certo ar intelectual, (ainda que fatela) beneficiando junto de algum contratador indiano ou sul-africano. Curiosamente, nos Estados Unidos, bem como no Reino Unido, ninguém procura empregos armado e munido com referentes profissionais, designações académicas e crachás pessoais ao peito descritos em português. Para mais, as vagas nestes países já estão quase todas ocupadas por gente que também sabe "bué" inglês e que quer efetivamente... trabalhar!, em vez de ter um emprego onde se ganhe bem sem fazer nada que preste realmente para a sociedade.

EMPREGADOR - O que é que o (a) senhor(a) sabe fazer?

LINKEDIN - Ah! Eu já fui Key Account Manager numa sex shop em Carcavelos... e fiz uma Summer School, Master ´s Degree  de 35 horas em cañas artesanais, em Benidorm...

E. - Sim, mas o que é que o (a) senhor(a) sabe, efetivamente, fazer?

L.- (Pausa demorada...)

    OK! Já se sabe que "trabalhar" num cargo com um nome em português é assim meio pró foleiro... e dá a sensação de ordenado mínimo, que é aquilo que as empresas estrangeiras que anunciam vagas no LINKEDIN pagam aos trabalhadores portugueses que se publicitam em inglês:

 Administrative Assistant, Office Assistant, Financial Assistant, Treasury Specialist e Logistics Assistant

Esta é muito difícil de explicar em português, mas aparece muito no LINKEDIN, tudo junto, nomeadamente associada a indivíduos do sexo feminino. A única designação que nos ocorre é "empregada de escritório", mas não sabemos se será uma interpretação ou tradução excessiva, sobretudo para as habilitações exigidas.

Academic advisor

Ainda pior! Curto e grosso. A tradução é que deve ser tão complicada que não deve vir nada que seja curto, embora possa ser grosso. Talvez "Conselheiro de Estado" ou " Assessor do Reitor". Eventualmente, "Aluno do 5.º ano com cadeiras por acabar". " Biscateiro" ou " Espeta no c*", talvez seja mais simples.

CEO/Designer

Esta é fácil!: "Chefe dos cartoonistas".

Human Resources Chief Manager 

Fácil II: " Enviador de emails a despedir", " Desempregador à distância" ou " Desmancha-prazeres". Pode ser " Encarregado do pessoal".

Founder/Owner/Designer 

"Homem dos sete instrumentos" ou "Faz tudo". 

Co-chair

Não tem tradução, mas sabemos que, em Portugal, quando chega à fábrica, se senta no chão ou ao colo de alguém, porque há falta de cadeiras.

Chief Minister at Government of NCT

F*d*-se... ! Um tipo destes deve ser muito importante e útil ao progresso! Onde é que isto fica?

General Manager of Remarketing

Ou seja, provavelmente um " Vendedor de artigos difíceis e com pouca procura".

Supply Chain Professional

" Fornecedor de correntes", para motoserras, motorizadas, bicicletas...

Engenheiro de Cloud

" Cabeça-nas-Nuvens" - um "faz nada de jeito". "Trabalha o trabalho"...

Fondatrice et consultante en stratégie de croissance chez Mondays

Produto raro e indefinidamente híbrido (estilo: patroa da escola de línguas onde se aprende francês e inglês ao mesmo tempo e onde as aulas rendem muito, sobretudo e estrategicamente às segundas-feiras).