Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Giló - O Papagaio Indiscreto

Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog Papagaio

Manual de Primeiros Socorros para Escritores

romance cor de rosa.jpg

   Se há coisa que nos entristece, é ouvir de indivíduos que procuram carreira nas artes, lamentarem-se, por exemplo, que não escrevem porque lhes "falta a inspiração"! Na hora "H", retraem até no talento que não existe, com a velha desculpa: "... sinto-me vazio(a); não sei bem por onde começar nem que título dar ao meu romance ou à minha novela ". Só isto já é, por si, uma novela...! Costuma ser tão comum nos aspirantes a escritores como a salmonela e o sarampo a espalharem-se nas ventilações dos hospitais e dos centros de saúde em Portugal.

   E assim se perdem, tantas vezes, autênticos best-sellers, meus senhores e minhas senhoras!...e se passa ao lado de uma putativa "grande" carreira literária.

       Esta "impotência literária" não vai lá nem com Viagra, mas será, por mais extraordinário e contraditório que pareça,  muitas vezes, também condição quase sine qua non para se ser aclamado, mais tarde, no mundo das letras...e dos números!, mais que tudo nos dias que correm, que são os de hoje. Quantos escrevinhadores famosos é que não afirmaram, já, ter "emperrado"? Afinal, quem é que nunca teve problemas com o "motor de arranque?" Sim, porque algumas grandes carreiras literárias acontecem com gente que igualmente experimenta este problema de não saber como começar, isto apesar de se sentir que há um José Rodrigues dos Santos, uma Diana Palmer ou um Hugo-Mãe dentro de nós!

    Francamente!, se a falta de inspiração for problema, se a dificuldade é começar a parir a primeira frase ou o primeiro parágrafo, se a incógnita é escolher um título brilhante e adequado, eu dou uma ajuda!, para desembaraçar os nós, soltar os gases, libertar a inspiração, já que a falta de talento (ou de senso) faz tantas vezes o restante, para se poder continuar a trama.

    Aqui vão algumas ajudas. Reparem como é fácil libertar a veia inicial ( os tipos das coleções Bianca e Sabrina podem contratar-me, se quiserem, que eu levo baratinho):

 

 

Uma Milionária Debaixo dos Meus Lençóis

   Marco GianFranco andava de um lado para o outro, inquieto, na  suite  da Penthouse, que ele mesmo alugara no hotel Le Grunhe de Parrris. Gesticulava no seu Smartphone, enquanto se impacientava para saber se Prunella caíra na sua armadilha. Em breve, se tudo corresse como planeado por si, colocaria as suas grossas patas na fortuna daquela papalva sonhadora. Todos aqueles diamantes seriam, em breve, seus!

 

Eternamente Apaixonada Pelo Milionário

   Jackie soluçava convulsivamente. George Royále fora o seu único "amigo verdadeiro", apesar de tudo. Que o sexo, por sua vez, com aquele idiota, era terrível e ela passara os últimos oito dias a fingir orgasmos! Agora, ele morrera - o veneno que ela lhe entornara discretamente na flute cristalina de champagne Mounsieur de Sauvignon fizera mesmo o seu trabalho,- e bastava a Jackie ficar ali, sentada, agora, assim, a soluçar, aos olhos dos outros,  no velório chiquérrimo, - que a companhia de seguros pagara -, apertando as rosas encarnadas nas suas mãos ocultas nas luvas negras de renda, armada em anjo negro e choroso. Fingindo sofrer por um homem do qual se descartara, como se fosse um lenço velho, amarrotado, depois de apenas uma semana de casamento e cama. Em breve, se tudo corresse viuvamente como planeado por si, colocaria as suas maquiavélicas patas na fortuna daquele papalvo sonhador, que jazia ali, exangue e cinzento.

 

Só Uma Carícia, no Milionário

   Stuart dirigia-se para a cidade. Em breve chegaria ao seu escritório, cheiroso de um dos seus perfumes e vestido num dos seus fatos caríssimos. Pensar nisso, excitava-a. Para Melanie, a simples ideia de ver Stuart engolido numa carícia da suas era paralisante! Seria paralisante para ele, certamente! Vestira-se com a lingerie mais ousada e rendilhada que encontrara no seu enorme closet. Stuart não resistiria à sedução ardilosa e imprevista de Melanie. A imagem sensual faria o trabalhinho quase todo. Colocar-se debaixo da secretária também jogaria a favor de M.. E poderiam fazer as coisas todas que quisessem se ela permanecesse ali e o apanhasse de surpresa, com a boca no trombone, ou com o trombone na boca, dependendo de quem se mexesse primeiro. Àquela hora da manhã, Stuart teria tomado, certamente, o seu banho e estaria cheiroso. Depois de tamanha insídia libidinosa, Stuart não teria coragem nem argumentos para recusar, e Melanie, em breve, se tudo corresse como planeado por si, colocaria as suas patas - e a boca maquiavélica - na fortuna daquele papalvo sonhador.

 

Amante por um mês, da Milionária

 Se a desejava, tê-la-ia… Fanny Gugliante não conseguia acreditar que Valério Danoni tivesse tanto descaramento e a agarrasse, pondo-lhe as mãos nas ancas! Mas Valério era um homem musculoso e decidido. Deixava qualquer mulher louca  e suada de desejos. Nem Gugliante conseguiria resistir! Depois de colocar a ssuas mãos nos seus seios, meteria as mãos na massa, e não restaria pedra sobre pedra - todo o império de Fanny sob o seu controlo, começando pela fábrica de colas para papel e madeira. O pai de fanny tinha caído na doença e não poderia, desta vez, socorrer a filha das garras de "El Tigre". Dentro de um mês, Danoni já seria dono de tudo. Se tudo corresse como planeado por si, colocaria as patas na fortuna daquela, agora, papalva anestesiada. O que danoni não sabia era que F. estava grávida...

 

Tórrida Paixão, Milionária

     Devia ser apenas uma aventura, até Penny Schultz anunciar que estava grávida…já a sua amiga F. tinha ficado grávida... e a coisa acabara mal, com Valério na prisão e a ter que sair para amamentar de quatro em quatro horas!

     Desde que Penny olhara pela primeira vez, nos olhos, para Lorenzo Torresmo, percebera que estaria metida num lindíssimo sarilho! Nunca tinha visto uns olhos tão intensos e, para mais, isso era indicativo que se tratava de mais uma novela da coleção Sabrina, não havendo chance, para esta mulher, de se livrar deste sacador de fêmeas com fortunas milionárias. Penny percebeu que Lorenzo deveria ter, pelo menos, mais umas doze manequins todas escondidas no armário, e que ficariam lá escondidas até ao capítulo XXVIII, altura em que o safado a deixaria na penúria e ainda faria chacota dela, depois de se apoderar das ações da empresa, com as suas patas, e de ir para a cama, petulantemente, com a amante mais gorda que estava escondida na prateleira de cima do armário.

    Era impossível ignorar a corrente de sensações que saltavam nas veias de Penny. Lorenzo iria traí-la e ficar com a sua fortuna? Que se f**esse tudo ! Era um homem muito sexy e iria sugar-lhe o tutano todo, tal o sufoco anormal que aquele parvalhão lhe deixava! Que se lixassem as empresas! No final da sessão de amor, atirar-lhe-ia com a história da gravidez às trombas; diria que o filho era dele, quando, no fundo, ela nem sequer estava grávida...aquilo eram gases, e uma almofada debaixo do vestido...

 

   Expresso o meu consentimento total para serem utilizados estes "desbloqueadores" da mente literária:  desde a novelita picaresca, ao drama-narrativo-bufo-mais-ou-menos metropolitano, passando mesmo, até, pelo romance de cordel contemporâneo, pintado de encarnado e cor-de-rosa cosmopolita. O freguês-escritor, seja ele iniciante ou mesmo já consagrado pela crítica, estará à sua inteira vontade de usar e ABUSAR!

Papagaiopapagaio.jpg

3 comentários

Comentar post