Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Giló - O Papagaio Indiscreto

#Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog #

O mais fantástico labirinto de chá da Europa é nos Açores - Chá Gorreana

mw-680

   Realmente não importa a hora do dia. O chá cultivado nos Açores é 100% orgânico e já existe há quase dois séculos. No meio do Oceano Atlântico, a 1500 quilómetros do continente, as duas únicas fábricas de chá restantes na Europa continuam a colher esta bebida maravilhosa para nosso deleite.Gorreana Tea recognized internationally as a "world class" tea is Europe's  oldest remaining tea company. Family own… | Portugal food, Portuguese  recipes, Tea estate
   No século XVI, o chá foi introduzido por padres e mercadores portugueses na China, que mais tarde o introduziram na Europa. Os portugueses chamaram-no de "Chá" porque o caratere chinês para “chá” pode ser lido como "Te" (que vem da palavra malaia para “bebida”) ou algo como "Cha" (que vem da palavra em mandarim para “colheita”). Eles preferiram o último som e até hoje “chá” é chamado de “chá”, em português.

   A produção do chá teria sido introduzida nos Açores no início do século XIX - por volta de 1820 - por Jacinto Leite, um açoriano natural da ilha de São Miguel. Na época, Jacinto trabalhava como comandante da Guarda Real de D. João VI no Brasil e decidiu criar a primeira plantação de chá São Miguel, a partir de sementes que trouxera do Rio de Janeiro.
O clima da ilha revelou-se bom para as colheitas e o cultivo do chá aos poucos ganhou apoio na ilha. Enquanto a produção e exportação de laranja - uma parte muito importante da economia da ilha - estavam em claro declínio, a produção de chá parecia um substituto promissor. Isto fez com que os membros da Sociedade Promotora Micaelense olhassem para a produção de chá como o ciclo económico que viria a substituir o decadente.
   Portanto, a produção de chá tornou-se uma ocupação importante para o povo da ilha e  da sua economia, atingindo seu auge na década de 1950, quando as exportações atingiram a impressionante quantidade de 250 toneladas, em decorrência de 300 hectares de cultivo. Para uma pequena ilha no meio do oceano, estes números eram impressionantes e o futuro do chá nunca pareceu tão brilhante.Fábrica de Chá da Gorreana | Açores, Turismo, Ilha de são miguel
   No entanto, com o rescaldo da Primeira Guerra Mundial e da Proteção Aduaneira do Chá de Moçambique, a produção e exportação de chá nos Açores começou a enfrentar dificuldades acrescidas. Esta situação desencadeou uma tal crise na produção de chá que em 1966, das 14 fábricas de processamento de chá, apenas 5 continuavam a funcionar. Atualmente, são apenas duas: a Fábrica de Chá Gorreana e a Fábrica de Chá Porto Formoso.

Post Patrocinado