Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Giló - O Papagaio Indiscreto

#Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog #

Trilhos para percorrer o país de norte a sul

trekking.jpg

  Em Portugal existem trilhos para todas as alturas do ano, onde se pode fazer trekking e outros desportos que são mais recomendáveis apenas em algumas épocas. Uns exigem mais, outros são mais fáceis.

1. Trilho da Mizarela

Trilho da FRECHA DA MIZARELA (PR7) na Serra da Freita | Portugal
Serra da Freita
DificuldadeAlta
Distância8 km
Estimativa5 horas

   Em plena Serra da Freita esconde-se a Frecha da Mizarela. Pertence ao Geoparque de Arouca e oferece a paisagem incrível de uma cascata proveniente do rio Caima.

   Com uma altura de 75 metros é uma das quedas de água mais altas da Europa. O trilho é circular, iniciando-se no Campismo do Merujal, que pertence à freguesia de Albergaria da Serra.

  Em alternativa, pode-se começar junto do miradouro da Frecha da Mizarela, embora aqui haja menos lugares para deixar o carro. Neste local é obrigatório parar para observar e respirar fundo.

   Pode-se seguir, então, até à aldeia da Ribeira, de onde tem vistas maravilhosas sobre a Frecha. Aqui estamos a cerca de metade do percurso. A partir deste ponto o caminho segue por encostas abruptas e é necessário cuidado, especialmente para quem tem vertigens. 

  Em determinadas partes do trilho existem correntes nas rochas para auxiliar os caminhantes. Quase no topo da encosta, após uma pequena ponte de madeira, há uma vista total da serra. Chegado ao cume, a visão é panorâmica sobre o vale, que se estende até à Ria de Aveiro.

   O nível de dificuldade elevado deve-se ao desnível envolvido, que é considerável. Não é recomendado fazer este percurso em dias de chuva e vento, devido ao gelo e água que tornam as rochas muito escorregadias. 

 

2. Trilho dos Pescadores, Rota Vicentina

Trilho dos Pescadores - Rota Vicentina - Gourmet Da Vila Blog
Rota Vicentina
DificuldadeMédia
Distância18 km
Estimativa7 horas

   Em 2012 foi inaugurada a grande rota pedestre que cruza o Sudoeste de Portugal com a Costa Vicentina, num total de 350 km. Nasceu então a Rota Vicentina. Esta divide-se em dois grandes percursos: Caminho Histórico e Trilho dos Pescadores.

   O Caminho Histórico contempla as principais vilas e aldeias entre a cidade de Santiago do Cacém e o Cabo de S. Vicente, constituído por 12 etapas de 25 km cada, num total de 230 km. 

   Já o Trilho dos Pescadores, por sua vez, segue sempre junto ao mar, percorrendo caminhos que os locais, especialmente os pescadores, recorrem para aceder às praias e falésias. Este trekking inclui quatro etapas de um dia, com um máximo de 22 km cada e, ainda, 5 circuitos complementares, num total de 120 km.

   Caso apenas haja um dia para fazer este troço, é preferível o percurso entre a Zambujeira do Mar e Odeceixe. O grau de dificuldade é médio e o caminho pode tornar-se algo difícil com altas temperaturas.

   Deve-se começar o percurso na Capela de Nossa Senhora do Mar e descer em direção à praia da Zambujeira, pela falésia; o cruzamento é com várias enseadas e falésias impressionantes. 

   Dá-se uma sucessão de praias de rochas e pedra. Entre elas estão a praia do Carvalhal e a praia da Amália, o refúgio da icónica fadista portuguesa. A meio temos a aldeia de Azenha do Mar, onde se pode descansar e recuperar energias.

   Seguindo o caminho junto ao porto de pesca natural da Azenha do Mar, chega-se à Ponta em Branco, uma falésia que assim ganhou o nome pelas cores que formam a sua coroa.

   Com Odeceixe ao fundo, falta descer a falésia até à ribeira e os últimos 3 km de estrada de asfalto que sobram, até à ponte que liga à vila de Odeceixe.

3. Trilho de São Cristóvão do Douro, Pinhão

Provesende, Sabrosa - Portugal
Provesende
DificuldadeFácil
Distância4 km
Estimativa2 horas

   Este é um trilho praticamente sempre a descer, para fazer em tranquilidade e excelente para toda a família. Liga Provesende e Pinhão, percorrendo um pouco do Douro vinhateiro.

   Neste caminho pode-se visitar a aldeia vinícola de Provesende e a sua igreja, onde se inicia o percurso. Apesar de pequeno, este trilho oferece inúmeros cenários para excelentes fotografias.

   A partir do centro da aldeia, após a igreja, o largo, o chafariz e os edifícios senhoriais, basta seguir sempre em frente, tal como indicam as setas sobre o percurso. 

   Em meia hora surge um corte à esquerda, não muito bem identificado. Seguindo, vai-se ter à aldeia de S. Cristóvão do Douro. O trekking atravessa a estrada nacional por poucos metros, regressando logo de seguida ao trilho, até ao Pinhão. Pelo caminho atravessam-se várias propriedades vinícolas.

   O trilho termina na ponte romana do Pinhão, seguindo um pouco mais até à beira do rio. Este caminho pelo vale do Douro é indicado inclusive para crianças.

4. Vereda da Atalaia, Madeira

Vereda da Atalaia Mountain Biking Trail - | Trailforks
Levada Fajã do Rodrigues
DificuldadeMédia
Distância2.7 km
Estimativa2 horas

   Do Paúl do Mar até à Vereda da Atalaia, com regresso pela Vereda dos Zimbreiros, é certo que o cenário paisagístico será imenso. Seguido ao longo da Levada da Fajã chega-se ao encontro da Vereda do Lombinho e de imensas plantações de bananeiras.

   No Paúl do Mar aprecia-se o mar e até uns mergulhos. O regresso pela Vereda dos Zimbreiros vai permitir assistir a um pôr do sol fantástico.

   O piso por toda a Vereda dos Zimbreiros é mais estável que pela Vereda da Atalaia mas, ainda assim, todo o percurso é considerado de dificuldade média.

   A Vereda da Atalaia é um de muitos exemplos dos caminhos costeiros que as arribas do concelho da Calheta oferecem. Este trekking permite o contacto direto com a tradição de terras agrícolas e gado, num cenário rural envolvente.

5. Mistérios Negros, Açores

Ilha Terceira: Trilha dos Mistérios Negros - Angra do Heroísmo, Portugal |  GetYourGuide
Lagos do Negro
DificuldadeDifícil
Distância5.5 km
Estimativa2:30 horas

   Com início nas imediações da Lagos do Negro e da Gruta do Natal, o caminho deste trekking é de terra batida até cerca de 550 metros, onde dá por si numa pastagem. Seguindo o caminho, rapidamente encontra-se três pequenas lagoas, em Vale Fundo.

   Contornando as lagoas pela direita, segue-se por um bosque, num terreno algo irregular. Depois de atravessada a mata e algumas pastagens, atinge-se a estrada de asfalto, até ao Pico Gaspar. 

   Daqui temos vistas panorâmicas, antes do último quilómetro até à Gruta do Natal e à Lagoa do Negro, voltando ao início do percurso.

   O trekking integra a Reserva Natural da Serra de Santa Bárbara e dos Mistérios Negros. Ao longo do percurso é possível observar a diversa vegetação endémica. Pode-se chegar ao ponto de partida através da Estrada Regional 3-1, no entroncamento com o Caminho Florestal número 24.

Para vestir

  • Calçado apropriado para caminhadas
  • Impermeável
  • Chapéu
  • Chinelos
  • Leggins
  • Calções
  • Calças adequadas

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.