Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Giló - O Papagaio Indiscreto

Aqui no Papagaio e no Sapo Blogs outra vez? Pá! Vão à praia, façam amor com a(o) namorada(o)... evitem é perder o vosso precioso tempo neste botequim! Podiam, pelo menos, ter o bom gosto de escolher outro blog Papagaio

Um Doutoramento em Chás

Resultado de imagem para chá cartoon     Depois das enxurradas de ações de formação soporíferas e sistemáticas e das pós-graduações honoris causa sobre cafés - como tirar um café, como beber um café, inflacionar um café, a psicologia do café, a taxa do café, a torra do café, o grão do café, a moagem do café, a dosagem do café, a sexualidade do café, a etnia do café, a religião do café, o soneto do café,  a febre do café, a legionela do café, a ideologia do café, a cor política do café, os incêndios de Pedrógão do café, as hemorróidas do café, o café e o vídeo-árbitro do café, os desenhos a guache nas chávenas do café, o cú pró ar do café, as energias renováveis do café, a união de facto do café ( módulos essencialíssimos na Faculdade de Ciências Pindéricas e Exotéricas do Café e nos programas de reformados do Goucha, da Tânia e da Fátima), temos a Bárbara Wong e a apologia das teorias Victoria Bisogno, El Club del Te e Mariage Frères sobre o chá, tudo proveniente das casas mais distintas de Chá de Barcelona, Londres e Paris, claro está! Budapeste, Cracóvia e o Alto dos Moinhos ficaram de fora do itinerário, por razões ainda desconhecidas!

    Deve estar para nascer outro nicho! Bárbara Wong descobriu um novo guru das infusões, de seu nome Ana Vieira! Preparem-se todos para abrir os guarda-chuvas porque se avizinha um anticiclone de altas (de)pressões, repleto de perdigotos, sacos de chá pelo ar e ervas a ferver nas redes sociais, durante a próxima temporada, e a bem da conta bancária da Ana! EH!EH!

    Ana Silva Vieira (licenciada em infusões pela Universidade da Pontinha e catedrática em bules e em ebulição finérrima, pelas principais casas da especialidade, situadas nas principais cidades mais snobes chiques da Europa) já veio esclarecer que o chá tem ENORMES potencialidades para ser introduzido na culinária - já estamos mesmo a ver o Ljubomir Stanisic a aderir religiosamente a esta nova trend, e a não resistir a  introduzir no seu menú bárbaro, um prato chamado Chá de Tília com Vísceras Cruas de Cabra Montesa em vinha d'alho e Infusão de Salmonela. Ou  Carapauzinhos Fritos do Dia Anterior com Chá Preto das Tias Púbicas.

  Jura o artigo do Público, que Ana Vieira vinha a caminho de casa, proveniente da academia da Pontinha, e teve de se dedicar intensamente à família por causa de qualquer coisa que encontrou no trânsito, entre Massamá e o Martim Moniz... foi então que descobriu o chá, provavelmente na prateleira do armário de cima,mesmo como quem vira à esquerda da cozinha gourmet, junto à porta onde estão empilhados os tachos da Silampos e as frigideiras anti-aderentes da Ideia Casa.UAU! Ter-se-á feito luz!, e a moça pensou: " - e se eu escrevesse um livro e abrisse uma página na internet com pilhérias sobre chás? Toda a gente vai morder o clickbait, carago!" ( "carago" já sou eu a inventar!).

   Então, caríssima Ana, para quando o Bacalhau com Batata a Murro com Chá das Cinco? Deixamos esta sugestão para o novo livro da Anita. Na futura loja de chás online que ameaça abrir,  poderá introduzir, quem sabe?, uma Caldeirada de Lulas marinadas em Chá do Ceilão. Ou Ovas de Paloco em Salmoira com Chá de Camomila e Batata Cozidas às Rodelas. Como estamos a caminhar para março, podia-se aproveitar e fazer umas favas com chouriço e Chá Gorreana. Ficam, aqui, as nossas sugestões. Para rematar,convidava-se o Miguel Esteves Cardoso para ir jantar lá a casa um pernil com bolachinhas inglesas e chá-hortelã.

   Ana Vieira, no seu novo livro, também promete explicar como é que se tornou numa Sommelier de Chá e o que é que faz uma Sommelier das infusões. Já adiantou que um Sommelier  do chá é uma pessoa que sabe tudo sobre chá, ou seja, é uma espécie de cusca da Madragoa ou do Bairro Alto, só que, em vez de se debruçar na varanda a pendurar as cuecas do marido no estendal enquanto vai falando mal da vizinhança às velhas da frente, faz tudo isto dentro de um salão de chá, na companhia de um bule a ferver e de gente bem.       Para além disso, uma sommelier do chá elabora cartas de chás, faz consultoria do chá, serviços de Afternoon em hotéis ( a Nasa encomendou um estudo espectral e de choque de partículas no salão do Ritz, para tentar descobrir que serviços são estes e o que é que Afternoon quer dizer!) e explica a história do chá no Mundo e em Portugal. Por exemplo, D.Afonso Henriques fazia caçadas secretas e depois tomava javali com chá; o Infante D. Afonso não tinha vintém e não podia comprar chá,bebia Licor Beirão, que era o licor do povo; D. João V tomava várias infusões para o flato, que nunca fizeram efeito; a Dª Amélia aproveitava as saídas do rei D. Carlos e tomava chá de canela e pau de cabinda na cama com os seus amantes  - sobretudo com aqueles que tinham pirilaus menos beneficiados.

   Ana Vieira remata, no entanto, que tudo isto é de somenos importância. O mais importante é saber fazer o blend dos sabores, para que estes não se anulem. Se estiver a tomar chá verde do Japão,por exemplo, nunca acompanhe com uma colheita de posta mirandesa. Opte sempre por escolher peixes da nossa costa, como a lagosta suada ou a sardinha espanhola de escabeche. Se quiser tomar um chá em companhia de gente divertida e bem humorada, não caia na tentação de encomendar infusões de cannabis recreativa das lojas de Toronto, muito menos fazê-las acompanhar por lampreia à bordalesa, uma vez que pode gerar efeitos secundários, como histeria, alucinações e gente a babar-se pelo chão da sala.

Papagaiopapagaio.jpg

3 comentários

Comentar post